Pop-it! Uma invenção israelense que tomou o mundo

Se você conhece crianças ou adultos inquietos, há grande chance que tenha visto, ouvido, ou desejado brincar com um pequeno pedação de silicone chamado “pop-it”.

O que provavelmente não sabe, é que este fenômeno foi criado originalmente nos anos 1970 por um casal israelense com um apreço por brinquedos, de acordo com um reporte da BBC que chama o objeto de “uma sensação imediata que se desenvolve há 40 anos”.

Theo e Ora Coster criaram mais de 150 brinquedos e jogos em sua empresa, Theora Design, incluindo muitos que rapidamente se tornaram sensações mundiais, como “Guess Who?” e “Zingo”. Outros alcançaram a popularidade em Israel, onde Theora primeiro criou produtos promocionais para bancos e outros negócios, de acordo com o sítio eletrônico da empresa.

O que menos pessoas ainda sabem é que o pop-it foi criado depois que Ora Coster teve um sonho após o falecimento de sua irmã por cancer de mama, a levando a desenvolver um carpete de peitos que poderia ser apertado para ambos os lados.

Mas esta não foi a única vez que Ora convenceu Theo a criar algo que se tornaria sensação internacional – depois de visionar um disco de plástico embebido com dados rotatórios, criou o protótipo enquanto seu marido servia na reserva do Exército israelense. A ideia se tornaria o Magimizer, um sucesso que veio cedo para a empresa.

Mais tarde na vida, o encorajou a documentar suas memórias de infância, passada em Amsterdão, onde foi colega de sala de Anne Frank, que, como metade da turma da Escola Judaica que frequentavam, foi assassinada pelos nazistas. Theo sobreviveu porque foi enviado para viver com não-judeus, enquanto seus pais sobreviveram em um esconderijo. O resultado foi o documentário “Anne Frank’s Classmates”, e mais tarde, em 2009, o livro “We all wore stars”.

Voltando ao pop-it, devido ao alto custo da borracha, o brinquedo desenvolvido pelos Costers em 1970 nunca foi produzido em escala – até alguns anos atrás, quando Boaz Coster e seu irmão Gideon licenciaram a ideia a uma fábrica de brinquedos canadense. Esta empresa, que se chama Foxmind, vendou 7 milhões de unidades em 18 meses, comparado a apenas 700,000 em 2019, em uma explosão atribuída a uma macaca chamado Gaitlyn que brincou com um pop-it em um video viral no TikTok em 2020.

Hoje, pop-its possuem seu próprio nicho no TikTok, havendo vídeos sobre o tema sido visualizados mais de 12 bilhões de vezes e levando a uma busca por “fidgets” sem precedentes. Mas, poucos destes produtos são de fato produzidos pela FoxMind, sendo a maior parte réplicas. Theo Coster faleceu em 2019 e não viu o maior sucesso da Theora, enquanto Ora, que faleceu em 2021, acompanhou a febre.

Segundo Ora, em entrevista à Haaretz em 2015, “o truque do jogo é que pode ser jogado novamente quando se termina, apenas virando o objeto. Além disso, é um pequeno item que pode ser transportado no bolso. Para mim, como mãe de dois filhos, isso era muito importante, pois não tínhamos jogos com muitas peças, bolinhas, cartas e confusão – porque uma parte se perde e ficamos apenas com a embalagem”.

Além da Theora, a indústria de brinquedos israelense conta com outras empresas inovadoras, como a Starplast, Tiny Love, Taf Toys e Halilit. Além disso, novas startups chegam para lutar pelo seu lugar no mercado, destacando-se a Popin Playgrounds  , Algobrix, PowerUp Toys, StoryBall e The Purple Cow. 

Fonte: JTA

Foto por: Arthur Shuraev