Startup israelense inventa cápsula vibratória que libera o intestino preso

Cólicas e inchaço desconfortáveis são apenas alguns dos sintomas que enfrentam as milhões de pessoas que sofrem de prisão de ventre, que é o distúrbio de saúde mais comum. Na verdade, mais de 42 milhões de norte-americanos, um sétimo da população dos Estados Unidos, são afetados pelos sintomas, dor e desconforto associados à prisão de ventre, uma realidade desagradável que pode continuar por semanas e até mesmo anos.

No entanto, há boas notícias no horizonte. Um novo tratamento na forma de uma cápsula vibratória do tamanho de uma pílula pode servir para aliviar a prisão de ventre crônica, conforme demonstrado por um novo estudo-piloto realizado por pesquisadores liderados pelo Dr. Yishai Ron do Departamento de Gastroenterologia e Hepatologia do Centro Médico Sourasky filiado à Universidade de Tel Aviv. A equipe apresentou seus resultados no mês passado durante a convenção da Semana de Doenças Digestivas em Chicago.

A cápsula Vibrant

Para fazer o intestino funcionar, a cápsula desenvolvida por uma empresa chamada Vibrant abriga um pequeno motor que está programado para começar a vibrar de seis a oito horas após a ingestão. Após a pílula ser engolida como qualquer outro laxante, ela começa a estimular mecanicamente as contrações intestinais, facilitando o movimento das fezes pelo trato digestivo.

De acordo com o estudo, constatou-se que a cápsula vibratória quase duplicou as evacuações semanais de pacientes que sofrem de constipação idiopática crônica (CIC) e da síndrome do intestino irritável (C-IBS). A terapia inovadora que não faz uso de medicamentos pode oferecer uma solução para quem sofre de prisão de ventre crônica mas considera laxantes, bebidas à base de fibras, enemas e outros tratamentos típicos inúteis ou desconfortáveis.

Uma alternativa vibrante aos medicamentos

“Apesar do uso generalizado de medicamentos para tratar a prisão de ventre, quase 50% dos pacientes estão insatisfeitos com o tratamento, seja por causa dos efeitos colaterais, preocupações de segurança sobre uso a longo prazo, ou pelo fato de que os medicamentos simplesmente não funcionam”, o Dr. Ron disse à Science Daily.

No estudo, 26 pacientes tomaram a cápsula vibratória duas vezes por semana e responderam a um questionário sobre suas evacuações diárias e uso de laxante. Os participantes do estudo relataram um aumento nas evacuações espontâneas de duas a quatro vezes por semana, bem como uma diminuição dos sintomas de prisão de ventre, incluindo menor dificuldade para defecar e menos evacuações incompletas. O estudo também constatou efeitos colaterais mínimos decorrentes do uso da cápsula.

“Às vezes, as terapias medicamentosas trazem mais problemas do que alívio para esses pacientes”, disse o Dr. Ron. “Os resultados deste estudo apontam para o potencial de um tratamento alternativo que evita os típicos efeitos colaterais dos medicamentos tais como inchaço e desequilíbrio eletrolítico por imitar a fisiologia natural do corpo.”

O Dr. Ron e sua equipe planejam iniciar um estudo controlado e duplamente cego para ampliar esses resultados e explorar ainda mais o potencial da cápsula. O alívio pode ter chegado finalmente.

Fonte: Nocamels