Por que startups estrangeiras querem ser aceleradas em Israel

Floretta Mayerson é cofundadora da startup mexicana Violetta, um espaço digital seguro onde vítimas de violência doméstica podem buscar auxílio psicológico e jurídico a qualquer hora, através de um chatbot.

Depois de um ano de mentoria no México, Mayerson se inscreveu na rede MassChallenge de aceleramento de startups, mas não em seu país e sim na filial israelense. Isto porque, segundo ela, “acreditamos que grandes oportunidades vem de grandes desafios, e isto acontece quando saímos da nossa zona de conforto”, complementando que “nós [da Violetta] sempre admiramos o meio-ambiente de startups israelense. O potencial para questionamento e repensar nosso projeto por outras lentes é imenso”.

As quarenta e duas startups aceitas na edição de 2021 do MassChallenge Israel, que ocorre de abril a julho em Jerusalém, vem de locais tão diversos quanto Alemanha, Gana, Índia, México, Noruega, Ruanda, África do Sul, Espanha, Emirados Árabes Unidos e Estados Unidos da América, além de Israel. No total, cerca de 400 candidatos de 30 países se candidataram.

De acordo com o diretor do programa, Yonit Serkin, “o internacionalismo é o coração do que fazemos. Nossa filial em Jerusalém sempre buscou servir startups de todo o mundo”. Por isso, “nos primeiros anos, desde 2016, 15 a 20 por cento dos participantes eram empresas estrangeiras. Agora o número está em 34% – 28 israelenses e 14 internacionais”.

Mais de um terço dos mentores são empresas de fora também, o que pra Serkin representa um movimento interessante e empolgante de expertise em ambas as direções.

Os escritórios do MassChallenge em Massachusetts, Rhode Island, Texas, México e Suíça também atraem startups de fora de suas zonas geográficas. Mas não de tão longe quanto Israel, que atrai pessoas de todos os cantos do mundo, segundo Serkin.

“Quando pergunto a empreendedores estrangeiros, que estão construindo uma empresa que não vende ao mercado israelense, o que os leva a vir para cá, ouço que este é o melhor ecossistema de forma geral. Eles se inscrevem no programa por causa do prestígio do setor high-tech e suas conexões com o sistema global de inovação”, aponta Serkin. Para ela “a incrível densidade do empreendedorismo aqui não existe em outros lugares. Podemos criar laços com as melhores mentes em 400 centros de R&D multinacionais em um raio de uma hora de Jerusalém. Não existe esta densidade de profissionais em nenhum outro lugar. É um jeito incrivelmente eficiente de se conectar.”

Outro fator é que israelenses sempre tiveram de buscar oportunidades em mercados diferentes de seu pequeno país, os forçando a pensar de forma criativas e frequentemente em termos de impacto social.

Com a pandemia do coronavírus, o evento precisou se mudar para as plataformas virtuais em 2020, o que, segundo Serkin, exigiu esforços para que “fosse criada uma comunidade entre pessoas que não podem se ver pessoalmente”. Como “este ano, ainda operamos com um grau de incerteza e nem todos podem fisicamente fazer a viagem, o evento será híbrido”, com alguns participantes já em Israel e outros buscando fazer a viagem na medida que restrições forem afrouxadas.

As necessidades globais que se mostraram durante a pandemia tiveram também impacto nos tipo de empresas que se inscreveram, pois cerca de um terço é focada em setores gerais como o aeroespacial, agricultura, entretenimento e mídia, alimentos, bebidas e restaurantes, materiais e turismo. Outro terço é o da saúde e ciências correlatas. As startups restantes trabalham com cyber, e-commerce, high-tech, ed-tech e fintech (17%), impacto social (10%) e energia ou cleantech (5%).

Já que a rede de mentores, experts e investidores focam nos mercados europeu e estadunidense, inglês é a língua franca do programa, na qual todas as interações são realizadas. Não se trata apenas de conforto, mas também o desenvolvimento de habilidades para vender produtos por todo o mundo. Segundo Serkin, “vemos o inglês como uma ferramenta essencial para o empreendedor, mesmo se apenas uma pessoa da equipe seja fluente”. De fato, o trabalho em equipe e apoio dos pares é visto como essencial, pois como coloca Staff Sheehan, da Air Company, que participou da edição 2017 do programa, “descobri que ter uma startup é mais aceitável em Israel do que na maioria dos outros países. Neste ambiente, conectamos com outros na mesma jornada, que crescem conosco e nos mantém motivados”.

Veja a lista completa dos participantes do MassChallenge 2021:

Accesstravels [IL] é uma plataforma comunitária inclusiva para pessoas com deficiência;

Accounting Made Easy [África do Sul] é uma ferramenta de educação financeira que usa um aplicativo da web em forma de game para permitir uma experiência de aprendizado completa em apenas sete horas.

Arcadia [IL] usa o gaming para impulsionar crianças à descobertas intuitivas e domínio da matemática sem símbolos ou palavras matemáticas.

Ayambe Talent Solutions Inc [Ruanda] encontra mão de obra qualificada para clients africanos atráves do machine learning.

EcoPhage [IL] desenvolve proteção sustentável contra doenças bacterianas para lavouras.

EroeGo [Emirados Árabes Unidos] está desenvolvendo um aplicativo para venda de hortaliças próximas à data de validade, por preços acessíveis.

ExcelHERate [IL] emprega tecnologias profundas para ajudar empresas a empregarem colaboradores sênior com maior diversidade.

EyeKnow [IL] usa inteligência artificial para melhorar a saúde e segurança de crianças e idosos.

Fabric [Estados Unidos] traz experiências geoespaciais para aplicativos móveis ao combinar rastreamento, realidade aumentada e mensagens.

Fabriloo [IL] desenvolve sistemas de saneamento compactos, fora da rede e com preços acessíveis para preparação para desastres.

Fly-works [IL] está criando uma ferramenta de benchmark para operações comerciais com drones de larga escala.

Goaceit [IL] empodera jovens a atingir sua melhor performance e melhorar seu bem-estar usando soluções digitais personalizadas.

IMMA [IL] planeja ofercer um dispositivo remoto e automático para fertilidade que permite que mulheres façam seus próprios follow-ups no conforto, segurança e intimidade de seu lar.

Kinoko-Tech [IL] está usando a fermentação para criar uma proteína alternativa e sustentável.

Liposphere [IL] desenvolve biomateriais baseados em água para restaurar propriedades naturais de lubrificação da cartilagem de pessoas com osteoartrite do joelho.

Matricelf [IL] está desenvolvendo uma plataforma personalizada para impressão 3D de tecidos e órgãos com uma queda significativa nas possibilidade de rejeição.

Microfinance.ai  [Índia] está simplificando negócios de micro-crédito com uma plataforma de IA para mutuários menos tecnologicamente adeptos.

More Foods [IL] cria uma nova alternativa de alta proteína para carnes, usando produtos da indústria alimentícia como a levedura.

Munevo [Alemanha] está desenvolvendo a DRIVE, a primeira cadeira de rodas que usa óculos smart como alternativa ao joystick.

Nymiz Software Company [Espanha] torna dados pessoais de documentos e bases de dados anônimos ou pseudo anônimos para proteger identidades dentro dos parâmetros da GDPR.

Pacify Medical Tecnologies [Índia] tem uma tecnologia patenteada que borrifa tecidos de pele em feridas para uma recuperação mais rápida.

PickApp [IL] é uma plataforma movida por dados para atividades agrícolas trabalhosas.

RightHear [IL] torna espaços públicos em ambientes acessíveis com seu sistema de aúdio que ajuda portadores de deficiência visual a encontrarem seu caminho.

SafeUP [IL] é uma rede de segurança pra comunidades onde mulheres próximas podem proteger e apoiar umas às outras.

SAYeTECH Company [Gana] desenha e constrói maquinário inteligente para agricultura, com funções IoT específicas para a África.

SeaWise [IL] está desenvolvendo um algorítimo de IA para estimação da biomassa de peixes na indústria da aquacultura.

Serenno Medical [IL] está desenvolvendo um novo método para monitorar, identificar e previnir lesões agudas aos rins e outras complicações comuns e perigosas para pacientes de unidades de tratamento intensivo.

ShanenLi [IL] ajuda alunos a atingirem a fluencia textual através de software interativo baseado em novas tecnologias de aprendizado.

SlitLED [IL] é uma plataforma de telemedicina que permite que oftalmologistas façam exames compreensivos remotos e em tempo real.

SunDo [IL] é um marketplace para trabalho no ram da agricultura, visando consertar o problema da crise de mão de obra e perda de alimentos no mundo desenvolvido.

ThermoTerra [IL] captura uma nova fonte de energia renovável alimentada por flutuações naturais na umidade.

TikTalk [IL] oferece terapias digitais para a terapia da fala, oferecendo ciclos menores e melhor administrados.

TioTech AS [Noruega] está desenvolvendo a próxima geração de titonia para uso em baterias de carregamento rápido e longa-vida.

TrainPain [IL] oferece terapias digitais para dor neuropática.

Travaxy [IL] permite que agências de viagens online/offline consigam os melhores serviços para passageiros com deficiência ou idosos.

V-Opt [IL] é uma plataforma de telemedicina oftalmológica que conecta pacientes com oftalmologistas.

VenoVision [IL] é uma plataforma de monitoramento cardiopulmonar sem contato, movida por inteligência artificial.

Violetta [México] está construindo espaços seguros para identificar atos de violência doméstico através de um chatbot que funciona 24 horas por dia.

Voike [Estados Unidos] é uma plataforma de streaming musical para mercados emergentes com transferências de dados ou conexões com a internet limitados.

WiDE [IL] é uma plataforma inovadora para crianças com autismo.

Zeppi [IL] é um dispositivo para chamadas de vídeo flutuante para pessoas incapazes de usar smartphones ou tablets.

Fonte: Israel21C