O e-learning torna-se um imperativo, não uma escolha

Em novembro de 2020, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) publicou um Policy Brief intitulado “O impacto do COVID-19 na igualdade e inclusão do aluno: Apoiando alunos vulneráveis durante o fechamento e reabertura de escolas”, que declarou que a pandemia estava tendo um “Impacto profundo, não só na saúde das pessoas, mas também na forma como aprendem, trabalham e vivem. Ele destacou o desafio enfrentado por um sistema global de educação que foi construído em torno da frequência à escola física e observou que no pico da pandemia durante 2020, mais de 188 países, abrangendo cerca de 91% dos alunos matriculados em todo o mundo, fecharam suas escolas em um esforço para ajudar a conter a propagação do coronavírus.

Israel, que foi elogiado internacionalmente como um modelo de boa contenção nos estágios iniciais da pandemia, infelizmente se tornou o país com as taxas per capita mais altas do mundo de novas infecções, uma vez que a economia e a sociedade começaram a se reabrir significativamente. A análise posterior sugeriu que a rápida reabertura das escolas foi um fator significativo na transmissão do vírus.

Atualmente com transmissão viral ainda maior devido às mutações do vírus, embora em um momento em que as campanhas de vacinação tenham começado, as escolas foram fechadas mais uma vez. Desta vez, no entanto, a experiência de fechamentos anteriores permitiu que escolas e formuladores de políticas educacionais estivessem um pouco melhor preparados em termos de fornecer um substituto para a aprendizagem tradicional. Junto com isso, entretanto, vem o reconhecimento de que deve haver mais investimentos nesta área e a compreensão de que misturar tecnologia e educação não é mais uma opção, mas um imperativo.

De acordo com Merav Horev, vice-presidente sênior de política educacional da National Digital Israel Initiative, uma iniciativa governamental voltada para o aproveitamento de tecnologias digitais para ajudar a acelerar o crescimento econômico, reduzir lacunas socioeconômicas e promover a acessibilidade do governo aos cidadãos, “acabou a questão se é correto mesclar tecnologia com educação formal e informal. A questão agora é como fazer certo e como fazer da melhor maneira … “Ninguém está falando em voltar ao que era. Estamos todos falando sobre o novo normal.”

Inovações em EdTech

Assim como no setor de saúde digital e dispositivos médicos, as empresas israelenses vêm inovando há muitos anos na área de aprendizagem digital. Como resultado, este setor , composto por cerca de 400 empresas, oferece uma infinidade de soluções tecnológicas avançadas para uma variedade de públicos, desde instituições de ensino a usuários domésticos. Isso inclui plataformas de ensino à distância, ferramentas de administração, soluções de segurança na internet, plataformas de treinamento e autoria, salas de aula virtuais, documentação e distribuição automática de eventos ao vivo e gravados, videotecas, arquivos e muito mais.

Por exemplo, em matérias básicas como matemática, a Matific oferece uma solução premiada e pronta para uso para ensino à distância em escolas, distritos, estados ou países. Ela fornece milhares de atividades alinhadas ao currículo e planilhas em mais de 40 idiomas e combina isso com um relatório robusto para professores, administradores ou Ministérios da Educação. Outras empresas, como a Class.me, fornecem ferramentas para ajudar os alunos a evitar a sobrecarga de informações digitais e se comunicar mais facilmente com professores e colegas usando aplicativos de bate-papo em tempo real, tutores on-line sob demanda, ferramentas de avaliação para professores e uma rede de comunicação privada personalizada para cada escola, classe e faixa etária.

Não apenas conteúdo, mas também engajamento.

Reconhecendo que o envolvimento entre aluno e professor, e não apenas o conteúdo, é um recurso crítico do aprendizado remoto, a Tailor-Ed oferece uma plataforma que fornece experiências de aprendizagem holísticas para as necessidades do professor, da sala de aula e de cada aluno. De acordo com Maayan Yavne, CEO, “O ensino à distância não é usar o Zoom para entregar o que você fez na sala de aula.” … “Nossa especialidade é o componente socioemocional, que é muito importante no ensino à distância porque os professores não têm a mesma interação com os alunos que na sala de aula.”

Em uma entrevista com Israel21C no ano passado, Avi Warshavsky o CEO da MindCET, a unidade de inovação em tecnologia educacional do Centro de Tecnologia Educacional de Israel, disse que “a maioria dos problemas técnicos relacionados ao ensino à distância são facilmente resolvidos, no entanto, comunicação, gerenciamento de tempo e as dificuldades de auto aprendizagem são mais difíceis de resolver.” Conseqüentemente, outras empresas, como a Composica, ajudam as organizações a criar conteúdo de e-learning atraente e altamente interativo. Seu principal produto permite a colaboração em tempo real e fornece recursos de desenvolvimento ricos sem a necessidade de programação, podendo ser entregue em qualquer dispositivo.

Este vibrante ecossistema de e-learning é apoiado por organizações como a EdTech Israel, um centro de negócios nacional que conecta com sucesso o setor de negócios da educação israelense com empreendedores, investidores e parceiros de negócios internacionais e colabora com outros centros nacionais de EdTech para compartilhar conhecimento e construir relações de negócios na inovação educacional em todo o mundo.

Para saber mais sobre essas empresas e o ecossistema de tecnologias de educação de Israel entre em contato conosco pelo e-mail [email protected] ou pelo telefone (21)3514-8410.