Comunidade global de olho em soluções israelenses para cybersegurança em 2021

O setor de cybersegurança israelense iniciou 2021 com surpreendentes U$1.5 bilhões em investimentos, divididos em 17 negociações apenas no primeiro quadrimestre do ano. E empreendedores e analistas do setor acreditam que este é apenas o começo, anotando que a comunidade global continuará a investir, adquirir e se juntar com startups para combater um crescente número de ataques cibernéticos.

De acordo com Arik Kleinstein, co-fundador e administrador da Glilot Capital, “na última década, Israel se tornou fonte de inovação incrível, representando hoje grande parte da inovação global utilizada em todo o mundo”.

Empresas israelenses oferecem uma gama de soluções para todos os setores. De fato, os investimentos do primeiro quadrimestre também seguem um recorde de investimentos domésticos no cyber – em 2020, o capital alcançou U$2.9 bilhões e um total de investimentos que alcançou 31% dos valores globais, posicionando Israel apenas atrás dos Estados Unidos da América.

Isto porque, o país é mundialmente famoso por soluções tecnológicas e de segurança, e a cybersegurança exige ambas. Nesta toada, Kleinstein ressalta que investidores globais estão vindo por conta das audaciosas soluções cibernéticas, mas sempre abertos a conhecer muito mais. Assevera que “o mundo percebeu que em Israel existe muito potencial e veem pela oportunidade. Temos um ecossistema único que captura totalmente o potencial do segmento”.

Este ecossistema único é composto de grandes empresas, firmas multinacionais globais com braços de R&D no país, novas startups, treinamento militar e apoio governamental para negócios privados e públicos. Juntos, estes componentes criar uma comunidade efetiva que traz as soluções que o mercado precisa.

“Apesar da ameaça cyber ser global, o escopo da atividade israelense no campo é imensuravelmente mais extensa do que de muitos países no mundo”, disse Einar Meyron, especialista em resiliência cibernética israelense. Disse ainda que “ao examinar o potencial de sucesso de projetos, especialmente em Israel, é impossível desconectar-se do desenvolvimento dos empreendedores. Nas unidades de inteligência, soldados escolhidos por qualidades específicas podem iniciar e liderar processos. Quando desenvolvem uma ideia, já implementaram uma versão desta no serviço militar e seu processo e progresso é mais acelerado que em outras áreas”.

A necessidade por soluções do segmento cresceu no ano passado, em grande parte como resultado da mudança para o trabalho em casa, impulsionado pela pandemia do COVID-19. Isto porque aumentam as superfícies para ataque, e com o crescimento na quantidade de computadores e outros dispositivos móveis, seu número também aumenta.

Em seu relatório anual para 2020, disse o National Cyber Directorate (INCD) israelense que israelenses reportaram um crescimento de 50% em ataques durante o último ano. O diretório demonstrou que dos 9,100 casos verificados, cerca de 60% representaram incidentes nas redes sociais, 14% foram tentativas de phishing, e 14% roubos de informações. Outros relatos de cidadãos e empresas incluíram fraquezas nos sistemas de computador (3%), intrusão nos sistemas de computação (3%), malware (3%) e outras dificuldades relacionadas.

As crescentes ameaças criaram oportunidades adicionais para a indústria cyber israelenses, que provou mais uma vez este ano que é a locomotiva de crescimento nacional e componente essencial da resiliência do país. “O sucesso da indústria cyber israelense é exclusivamente uma vitória dos empreendedores, administradores e investidores”, disse Roi Yarom, chefe da Diretoria para Empoderamento de Indústria no National Cyber Directorate.

No último ano, cinco empresas israelenses entraram no prestigioso “clube dos unicórnios” (empresas privadas avaliadas em mais de U$1 bilhão), sendo elas: Snyk SentinelOne, Forter, Cato Networks e  BigID. De acordo com o INDC, 33% dos unicórnios do cyber estão em Israel.

Empresas de segurança em nuvem, outro bastião do cyber israelense, estão “recebendo muita atenção de clientes e investidores” disse Kleinstein. Ele acredita que 2021 será “outro grande ano. A tendência é que mais e mais dinheiro seja investido. Israel possui uma forte posição global, o que gera muito otimismo”.

Fonte: NoCamels