Como o gaming está transformando o ecossistema de startups israelenses – e o mundo

A indústria de jogos virtuais pode não estar presente na vida de todos, mas sua base de adeptos forte e leal a tornou uma das maiores indústrias do planeta. Em um ano dominado pelo Covid-19, oa 2,7 bilhões de gamers do planeta ajudaram a compor o faturamento de mais de U$165 bilhões gerado ao redor do mundo, representando mais do que as indústrias cinematográfica e esportiva juntas.

Como ocorre em outros setores que estão bombando, as mentes inovadoras de Israel possuem lugar de destaque nesta revolução. Hoje, o gaming em dispositivos móveis representa a maior parte da indústria (U$85 bilhões), e muitos novos empreendedores da Startup Nation encontraram formas, não só de entrar para o mercado, mas transformá-lo profundamente.

De acordo com Nir Miretzky, ex-CEO da Digital Games Industry Association israelense, a GameIS, o país conta com mais de 360 empresas. Com mais de 8,000 colaboradores, o setor é ainda pequeno quando considerados números do ecossistema tecnológico como um todo, que emprega cerca de 320,000 pessoas. E mesmo assim os números impressionam.

De acordo com a GameIS, a indústria local viu U$1.5 bilhões em faturamento em 2017, que cresceu para U$1.8 bilhões em 2018 e U$2.5 bilhões em 2019. Estima-se que em 2020 o faturamento chegou a U$3.5 bilhões, quando o mundo se fechou dentro de casa por razão da pandemia.

Um importante player deste ecossistema é o CrazyLabs, uma publisher de jogos para dispositivos móveis que teve mais de 3 bilhões de downloads dos seus 500 jogos, de acordo com a Game World Observer. Fundada em 2010, a empresa hoje possui 110 milhões de usuários por mês.

Outra empresa, a Playtika, foi adquirida pela Giant Intercative por U$4.4 bilhões em 2016, passando por um total de 10 M&A’s para pavimentar a construção de um império dos games diretamente de Israel. Um dos responsáveis por este sucesso é Raz Friedman, que ajudou a estabelecer a Playtika Growth Investments, responsável por descobrir e investir no futuro do gaming. Espera-se que a empresa alcançará uma avaliação massiva de U$10 bilhões quando se tornar pública.

Empreendedores não estão apenas indo a estúdios de gaming na esperança de ganhar muito dinheiro. Outro grande participante da indústria, Eitan Reisel, foi o primeiro a estabelecer a primeira rodada de VC dedicada ao gaming. Sua firma, Vgames, tem um fundo de U$30 milhões que usa para investir em estúdios de games que estão nas etapas pre-seed e seed, apoiado pelo seu principal investidor, a Viola Ventures.

“Israel está se tornando o líder global em games”, contou ao site CTech, pois “além da cybersegurança, não vemos tanto sucesso com unicórnios e empresas avaliadas em bilhões de dólares em uma só categoria”.

Considerando que a pandemia segue firme em 2021, fica claro que a indústria do gaming continuará a crescer e se fortificar. Enquanto as pessoas não perdem mais horas com jogos virtuais no transporte público, trazem este mundo para dentro de suas casas, buscando um escapismo da triste realidade que nos cerca. E, a indústria bilionária israelense agradece.

 Fonte: CTech