Gigante da defesa israelense escolhe cinco startups para desenvolver a tecnologias do futuro

A Israel Aerospace Industries (IAI), maior fabricante de aeronaves militares e civis do país, escolheu cinco startups nacionais para trabalharem com seus engenheiros e experts na criação de produtos com a companhia, incluindo sensores e inteligência artificial.

As cinco escolhidas são: QuantLR, Aigent-Tech, DST, Scopoli, e FVMat. O foco dos trabalhos será no desenvolvimento de sensores para rastrear pessoas e objetos, IA, sistemas de monitoramento, trens de pouso, entre outras tecnologias.

IAI produz e apoia diversos sistemas de defesa para aplicações terrestres, aéreas e navais, como no recente teste da arma Arrow 2 e um novo míssil mar-a-mar.

Neste programa de aceleração exclusivo, as startups poderão trabalhar com líderes, realizando seu potencial de longo prazo através da criação de tecnologias inovadoras, além da possibilidade de estabelecer seu próprios laços com clientes da IAI, disse a empresa.

Entre as selecionadas, FVMat foca em meta-materiais, como densidades e rigidezes únicas, que serão incorporadas a trens de pouso. Já a Aigent-Tech, que previamente desenvolvia soluções para caronas compartilhadas sob demanda, trará seu conhecimento em tecnologias de navegação e rotas para melhorar a eficiência das viagens. QuantLR terá como foco tecnologias de criptografia, e a DST irá auxiliar o grupo de aviação no monitoramento em tempo real. Por fim, a Scopoli auxiliará os grupos de mísseis e espaço com soluções para rastrear pessoas e objetos.

Segundo a IAI, forma investidos mais de U$ 900 milhões em pesquisas e desenvolvimento durante o ano de 2019, dos quais U$ 191 milhões foram usados em seus próprios grupos de inovação. De acordo com um representante da empresa, R&D estão em seu DNA.

Por isso, investe milhões em diversas colaborações com startups. Em fevereiro de 2020, a IAI promoveu uma colaboração em inteligência e sensoramento remoto com a MassChallenge. Sua subsidiária ELTA dissa que ofereceria aos participantes a oportunidade de manter provas de conceito em seus sistemas de inteligência de radares, facilitando assim seu acesso ao mercado e consumidores em escala global. O programa era voltado para startups desenvolvendo sensores de alta frequência, computação quântica, e aplicações fotônicas, acústicas, ultrasônicas, e outras tecnologias disruptivas para tecnologias sensoriais ou de fusão de dados.

O novo centro de inovação da IAI e a seleção de cinco startups fazem parte do foco da empresa em trabalhar com um grande número de novos negócios locais. O centro abriu com ajuda da Airburst Aerospace, e tem como objetivo revolucionar o machine learning, computação quântica, radares, sensores, robôtica, big data, visão computacional, cockpits inteligentes, propulsão, drones, cybertecnologia e impressão 3D.

Segundo Amira Sharon, vice presidente executiva de estratégia e R&D, “A IAI investe centenas de milhões de dólares todo ano para desenvolver tecnologias internamente, e agora trará startups para dentro de uma empresa estável e estabelecida, dando em contrapartida aos seus engenheiros a oportunidade de testar suas ideias e criar provas de conceito em semanas”.

Após uma chamada pública em agosto de 2020, foram selecionadas as cinco startups supracitadas dentre as noventa inscritas. Após o início do programa, terão treze semanas para trazer produtos viáveis, que depois serão desenvolvidos e melhorados, com modelos de negócios compatíveis para cada uma. O objetivo não é investir diretamente nestas novas empresas, e sim na parceira entre elas e a IAI.

Fonte: DefenseNews