Israel Innovation Authority autoriza investimento de NIS 220 milhões para inovação no agro

A autoridade de inovação israelense autorizou, no final de outubro, o estabelecimento de quatro novos consórcios, nos campos de: proteína cultivada, pecuária de insetos, interfaces de humanos e robôs e a amostragem de fluídos para diagnósticos médicos. O orçamento operacional estimado para os quatro consórcios será de cerca 220 milhões de NIS (ou 68 milhões de dólares americanos) no curso de três anos.

O projeto representa um dos maiores investimentos do setor público em carnes cultivadas em todo o mundo, juntando líderes de toda a indústria e também da academia. De forma similar, o Departamento de Agricultura norte-americano concedeu à Tufts University em Massachusetts dez milhões de dólares para pesquisas no segmento.

Cada consórcio incluirá cerca de dez empresas e dez grupos de estudos acadêmicos, financiado pelo programa de consórcio em pesquisa de tecnologias do Israel Innovation Authority, que oferece fundos para cooperação em pesquisa e desenvolvimento advindos de diversas indústrias e instituições acadêmicas.

Segundo Dror Bin, CEO da autoridade, “estes quatro novos consórcios demonstram a estratégia que temos em apoiar tecnologias de ponta em áreas com potencial para impacto econômico significativo, com necessidade de envolvimento substancial do governo.”

Em maiores detalhes, os últimos chamados para pesquisa cobrem as seguintes áreas:

– proteínas cultivadas: grupos irão desenvolver novos métodos para permitir a produção industrializada de carnes cultivadas com preços competitivos à alternativa animal. O piloto ocorre na divisão de inovação da Tnuva, em colaboração com empresas do ramo israelenses, empresas de produção industrial de carnes, e pesquisadores.

– pecuária de insetos: grupos irão focar em desenvolver tecnologias para a Hermetia illucens (mosca-soldado-negro), que é um inseto comumente usado para desmembrar resíduos orgânicos, reduzir aterros e usar a produção complementar como proteína na indústria de alimentos para animais. A iniciativa está sendo organizada pela Prism, uma empresa que especializa nestas tecnologias, em conjunto como outras empresas e pesquisadores, como foco em desenvolver alternativas de alimento/proteína para animais, promovendo metas ambientais buscando soluções para evitar o desperdício alimentício, e na agricultura e indústria israelenses.

– amostragem de fluídos para diagnósticos médicos: grupos irão se juntar para desenvolver sensores e tecnologias para detectar marcadores biológicos para o diagnóstico precoce de doenças por formas não-invasivas. O consórcio está sendo pilotada por um número de startups, que incluem a Senseera, e outras empresas de diagnósticos e líderes de pesquisa em universidades e hospitais. Irá desenvolver tecnologias para detecção de câncer do pâncreas, hepatite (NASH), e doença de Alzheimer ao analisar diversos fluídos corporais e desenvolver capacidades únicas para fundir diversos marcadores biológicos.

– interfaces de humanos e robôs: grupos irão desenvolver capacidades para melhorar a interação entre humanos e robôs, para promover e facilitar diversas tarefas robóticas compartilhadas por humanos e sistemas autônomos, que incluem a comunicação mútua entre robôs e humanos, aprender tarefas e expectativas pela imitação, e ensinar um código de conduta para o robô. O consórcio será liderado pela Elbit, ICT e o Cyber Directorate, em colaboração com empresas especializadas em robótica e líderes de pesquisa, buscando desenvolver um kit de capacidades genéricas que podem ser integradas em uma variedade de aplicações de forma simples e eficiente.

Fonte: CTech

Imagem: Artem Podrez