Startups israelenses de AgriFood ajudam a alimentar o mundo

De acordo com o primeiro trabalho global liderado pela ONU sobre segurança alimentar, o relatório Avaliação Internacional do Conhecimento Agrícola, Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento (IAASTD), há uma necessidade urgente de maior resiliência para garantir a sustentabilidade do suprimento futuro de alimentos.

A agricultura industrial tradicional está muito acima do teto do planeta em capacidade de produção. Sua ênfase em resultados de curto prazo e dependência excessiva de produtos químicos sintéticos tem um impacto extremo e negativo sobre o clima e os sistemas biológicos que os seres humanos precisam para prosperar.

Nos últimos anos, sem ser notado, um grupo de pessoas vem liderando a inovação tecnológica agrícola. A AgFunder, empresa líder mundial em informação na agricultura e inovação alimentar, classificou Israel entre os cinco melhores países do mundo em iniciativas de inovação e avanços no setor em 2020.

Até os últimos anos havia um número limitado de empresas em AgriFood. Apenas nos últimos três a quatro anos o ecossistema tem visto grandes desenvolvimentos: novas fontes de investimento foram estabelecidas ou desenvolvidas, e o número de empresas cresceu para cerca de 800.

Na foodtech, dois dos principais produtores de alimentos de Israel, Strauss Group e Tnuva, são parceiros em incubadoras (Strauss é parceira no The Kitchen FoodTech Hub e a Tnuva é parceira, juntamente com a fabricante de bebidas Tempo, na Fresh Start Incubator e Finistere Ventures.

Algumas empresas israelenses interessantes neste setor incluem:

DouxMatok

Fundada em 2014, a startup israelense DouxMatok desenvolveu uma solução patenteada de açucar reduzido que retém a textura, doçura e aparência de açúcar. A empresa diz que sua tecnologia é baseada na entrega da moléculas de açúcar ao paladar formando aglomerados que as liberam ao lado dos receptores da glândula, resultando em uma percepção aumentada de doçura.

A DouxMatok possui 18 patentes registradas e mais de 40 pedidos de patente pendentes. No ano passado, ganhou o prêmio Prime Minister’s Innovation em Israel e anunciou uma parceria com a empresa alemã Südzucker, a maior produtora de açúcar da Europa, para estabelecer produção, comercialização conjunta e vendas de açúcar DouxMatok para europeus já agora em 2020. Atualmente, também está colaborando com empresas multinacionais de alimentos para integrar sua tecnologia em diversas marcas de alimentos.

Em junho, a DouxMatok levantou US$ 22 milhões em uma rodada de financiamento da Série B liderada pela BlueRed Partners de Cingapura para escalar esforços e promover a comercialização.

Hargol FoodTech

Os gafanhotos são pelo menos 70% de proteína e são cheios de benefícios para a saúde, diz o fundador e CEO da Hargol FoodTech, Dror Tamir, que começou a empresa depois de saber que os gafanhotos forneceram uma alternativa proteica sustentável com inúmeras vantagens.

A empresa vende dois produtos: um é o gafanhoto inteiro, vendido para restaurantes e produtos alimentícios e às vezes redes de varejo como lanche; e o outro é um pó de proteína, vendido como ingrediente.

EggXYt

Fundada em 2016, a EggXYt desenvolveu uma tecnologia que pode detectar o gênero dos filhotes antes dos ovos eclodirem, atendendo às demandas dos consumidores conscientes que abominam a prática do abate de filhotes masculinos (que não produzem ovos).

Usando a edição de genes e o ajuste leve do DNA, Elram e Offen criaram uma solução binária onde os filhotes machos são marcados usando um scanner especial.

EatSane by A1C Foods

Fundada em 2016, a A1C Foods desenvolveu uma fórmula pendente de patentes para reduzir o índice glicêmico de produtos alimentícios para torná-los com baixo teor de carboidratos. Ele afirma não usar adoçantes artificiais ou substitutos de açúcar, contando, em vez disso, com a expertise de uma equipe de médicos, nutricionistas, chefs e técnicos de alimentos “apaixonados pelo sabor e extremamente conscientes sobre a saúde”.