Salgadinho israelense Bamba pode prevenir alergia a amendoim em crianças

Pais de crianças pequenas geralmente evitam deixá-las comer pasta de amendoim – ou qualquer outro alimento que contenha amendoim – porque é considerado extremamente alergênico, assim como o leite de vaca, que é desaconselhável para bebês no primeiro de vida.

Entretanto, um novo estudo revela que, ao contrário das recomendações de pediatras, dar alimentos à base de amendoim às crianças desde cedo pode, na verdade, protegê-las de alergias.

Os pais israelenses estavam certos desde o começo, dando Bamba – uma popular marca de salgadinhos israelenses – às crianças pequenas. De fato, talvez seja por isso que a alergia a amendoim é tão rara em Israel.

ScanComo as crianças israelenses que sofrem de alergia a amendoim representam apenas 10% na taxa do mundo ocidental, pesquisadores do King’s College London decidiram realizar um estudo no qual apresentavam alimentos à base de amendoim às crianças.

De acordo com o estudo, a prevalência de alergia ao amendoim entre as crianças nos países ocidentais dobrou nos últimos 10 anos e está se tornando aparente na África e na Ásia. Nos Estados Unidos, essa alergia está presente em 0,6% da população (em torno de 2 milhões de americanos), de acordo com o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA. O número é maior – cerca de 2% – entre as crianças.

A alergia ao amendoim se desenvolve na infância, dificilmente desaparece e não tem cura. Como muitos alimentos contêm amendoim, óleo de amendoim ou elementos de amendoim, essa alergia impõe um peso considerável, impactando negativamente a qualidade de vida de pacientes e suas famílias.

Os, pesquisadores mostram que a introdução precoce de amendoim (aos 11 meses) reduz significativamente a chance de desenvolver alergia. Chamado de LEAP (Learning Early About Peanut Allergy – Aprendendo Cedo Sobre a Alergia a Amendoim), o estudo foi liderado pelo professor Gideon Lack, do King’s College London, e foi publicado recentemente na revista New England Journal of Medicine.

É considerado revolucionário porque mostra que o consumo é, na verdade, uma estratégia eficaz para prevenir alergias a alimentos, contradizendo recomendações de saúde pública anteriores.

O estudo LEAP envolveu 640 crianças de 4 a 11 meses, consideradas com alto risco de desenvolver alergia a amendoim, devido à pré-existência de eczema severo e/ou alergia a ovo. Metade das crianças comeram alimentos contendo amendoim três ou mais vezes por semana, e metade deveria evitar o consumo de amendoim até os 5 anos.

Menos de 1% das crianças que consumiram amendoim desenvolveu alergia aos 5 anos de idade, enquanto um alto índice, 17,3%, no grupo que havia evitado o produto desenvolveu alergia.

Portanto, concluiu-se que a introdução precoce de alimentos contendo amendoim é segura e bem tolerada. Por outro lado, a decisão de evitar deliberadamente o amendoim no primeiro ano de vida, como uma estratégia para prevenir a alergia, foi colocada em dúvida. “Isso é uma descoberta importante que contradiz orientações anteriores”, disse Lack em um comunicado. “Nosso estudo sugere que novas orientações podem ser necessárias para reduzir o índice de alergia a amendoim entre nossas crianças.”

Fonte: NoCamels