Israelense TEVA cria microchip para cuidado médico a distancia

Este artigo foi publicado no The Times of Israel e foi republicado com permissão.

Os microchips internos, que injetam medicamentos em doses pré-determinadas ou controladas por médicos podem ser a nova onda na administração de medicamentos e contam com a participação da Teva Pharmaceuticals.

A empresa anunciou na semana passada uma nova parceria com a norte-americana Microchips Biotech para administrar medicamentos produzidos pela Teva em pacientes com o uso de um implante de microchip da empresa americana. É o primeiro acordo com a Microchips Biotech – e o primeiro que visa comercializar o que alguns consideram ser uma tecnologia controversa.

Para alguns, um implante de chip que administra medicamentos automaticamente e elimina a necessidade de dosar manualmente os remédios – ou até mesmo de se lembrar de tomá-los – soa como o máximo de conveniência e segurança, perfeito para idosos e outros que muitas vezes esquecem de tomar suas doses.

Outros – incluindo os libertários, preocupados com a maior erosão da privacidade por meio de dispositivos e tecnologias digitais, bem como os cristãos que se opõem, em princípio, aos implantes de microchips, podem ser contrários ao que as duas empresas estão fazendo.

No entanto, os fãs e inimigos da administração interna de medicamentos no organismo terão de se acostumar com a probabilidade de que, em algum momento no futuro, seu médico irá sugerir que eles, também, recebam o implante do chip que dosa os medicamentos de forma pré-determinada.

Fonte: NoCamels