A correção de escoliose em crianças acaba de se tornar muito menos invasiva

Esta notícia foi retirada do site Israel21c.

Um implante médico de Israel está oferecendo correção mais rápida, mais barata e, em última análise, mais eficaz de curvatura severa da coluna vertebral em pacientes com idades de 10 a 18 anos.

Desde o fim de 2016, o dispositivo ApiFix tem sido usado em 110 pacientes em Israel e em oito países europeus – Alemanha, França, Holanda, Grécia, Itália, Hungria, Romênia e Polônia – e está chegando perto de conseguir aprovação do Administração Federal de Alimentos e Medicamentos (FDA) dos EUA, de acordo com o CTO da empresa, Uri Arnin.

Baseado no Trendlines Group, em Misgav, norte de Israel, o ApiFix está concluindo uma etapa de investimento Série B de US$ 5 milhões, liderada pela empresa multinacional europeia B. Braun, que investiu US$ 2,8 milhões.

A cirurgia para escoliose, geralmente um procedimento invasivo, que dura de quatro a seis horas e custa cerca de US$ 100.000,00 nos Estados Unidos da América, utiliza de 16 a 20 parafusos e resulta em uma significativa rigidez permanente da coluna vertebral.

O implante de titânio do ApiFix, feito em Israel, precisa de apenas dois parafusos para, em uma hora, firmar a coluna no lugar correto, sendo um procedimento minimamente invasivo, que permite que o paciente mantenha grande parte da flexibilidade da coluna vertebral. Aprovado para uso em casos de escoliose idiopática do adolescente de mais de 40 graus, o implante corrige a curvatura gradualmente ao longo de vários meses.

O Dr. Yizhar Floman, proeminente cirurgião de coluna, acredita que o ApiFix pode se tornar o padrão para até 60 por cento dos pacientes adolescentes com escoliose, que precisam de tratamento cirúrgico.

“A cirurgia convencional trata apenas da parte óssea da coluna vertebral, ignorando os tecidos moles, ligamentos e músculos, que levam tempo para se tornarem flexíveis”, explica Arnin.

O implante ApiFix relaxa e realinha esses tecidos moles ao longo de um período de dias ou semanas, através de exercícios que o paciente realiza em casa.

Um mecanismo de controle patenteado permite que o cirurgião trave ou destrave a haste através de um procedimento que utiliza uma agulha para permitir correções adicionais.

O dispositivo é destinado a adolescentes de 10 a 18 anos, um período de rápido crescimento, quando a curvatura se desenvolve. A curva da coluna vertebral de pacientes jovens é mais facilmente manipulável e a resistência óssea é muito melhor do que a de pacientes mais velhos, explica Arnin.

Arnin acredita que seu dispositivo representa um avanço para a tecnologia médica de coluna vertebral, que não tem visto muito crescimento nos últimos anos. “Quase não há tecnologia sofisticada disponível, e acredito que um projeto como o ApiFix pode contribuir muito para o padrão de tratamento”, afirma.

 Fonte: Israel21c