As tecnologias israelenses que salvaram vidas no Nepal

Cinco dias após um dos mais devastadores terremotos da história atingir o Nepal, países vizinhos e distantes cederam recursos e pessoas para ajudar a lidar com essa emergência. Israel liderou o grupo em termos de equipes médias e de resgate em solo, com um comboio de ajuda humanitária de 260 pessoas, incluindo 40 médicos.

Apesar de não ser a primeira vez que Israel agiu após um grave evento climático internacional, a equipe israelense está utilizando tecnologias inovadoras e engenhosas para resgatar mais pessoas das áreas destruídas e para fornecer cuidados médicos de alta qualidade para os mais necessitados.

Algumas horas após o terremoto de 7,8 pontos estremecer o Nepal, as equipes de resgate israelenses já estavam preparando seus equipamentos para o voo até Katmandu. O comboio humanitário organizado por Israel foi o maior já enviado pelas Forças de Defesa Israelenses em território estrangeiro e, de acordo com uma reportagem da CNN, Israel teve mais pessoas no solo do que qualquer outro país. Construindo um dos maiores hospitais de campo em Katmandu com a capacidade de tratar até 200 pacientes por dia, a estação israelense é também uma das mais avançadas tecnologicamente na área do desastre.

“A equipe trouxe a tecnologia mais recente possível,” afirma o médico do Corpo de Médicos da IDF Ten. Cel. Asi Hempel. “O hospital de campo será equipado com tudo: raios-x, salas de operação que funcionarão ininterruptamente, laboratórios e outros.”

O hospital de campo israelense também estabeleceu um novo sistema para fornecer a cada paciente sua própria ficha médica digital, “Cada paciente que chega ao hospital de campo é recebido por um assistente médico que tira uma foto e entrega ao paciente um código de barras único,” o Ten. Cel. Hempel explicou em uma declaração. “Esse código de barras é escaneado em todas as estações pelas quais o paciente passa, permitindo ao médico conhecer todas as informações médicas e tratamentos que o paciente recebeu. Esse sistema permite-nos garantir que nenhuma estação do hospital fique sobrecarregada com pacientes. A prioridade é o tratamento de qualidade,” afirmou.

A equipe médica da IDF trouxe o que é considerado uma revolução em tecnologia médica para o hospital, o plasma sanguíneo em pó, uma invenção israelense que permite um fornecimento ilimitado de sangue que não precisa ser refrigerado. A equipe do hospital de campo apenas precisa adicionar água para ativar o plasma.

Fazendo um bom uso da tecnologia de salvamento de vidas de Israel.

Além do hospital de campo avançado, os aplicativos e tecnologias médicas e de emergência estão sendo bastante utilizadas no Nepal. Uma aplicação para smartphones chamada NowForce Life Compass está sendo utilizada como uma importante plataforma de comunicação entre o comando central de resgate em Israel e os comandantes no solo.

 “Todas as equipes de resposta possuem o aplicativo NowForce nos seus telefones, que fornece a elas um conhecimento completo da situação na palma da mão,” afirma o CEO da NowForce, Assaf Shafran. “O aplicativo permite a coordenação entre o que o centro de comando enxerga em casa, em Israel, e o que os comandantes de campo estão fazendo no solo. Além disso, os comandantes de solo podem atualizar componentes de segurança pessoal o tempo todo e eles podem marcar algumas localizações onde eles acham que é preciso mais atenção ou identificar áreas perigosas.” A tecnologia do NowForce é baseada em satélites, portanto apesar dos danos generalizados à infraestrutura de comunicações, incluindo o acesso à internet, os comandantes de campo são capazes de mapear locais de resgate em potencial – informações valiosas em solo que serão usadas pelas unidades israelenses para executar missões de resgate dirigidas.

Bandagem de Emergência, mais conhecida entre os militares americanos como a “bandagem israelense”, é outra tecnologia médica que está sendo usada para estancar e controlar o sangramento em ferimentos com hemorragias graves. A bandagem foi inventada pelo médico militar israelense Bernard Bar-Natan na década de 1980 e foi usada por tropas da OTAN nas operações de paz na Bósnia e Herzegovina, e também pelos militares americanos na Operação Liberdade do Iraque. A bandagem é agora essencial para muitos socorristas e foi utilizada para salvar a vida da Congressista do Arizona Gabriellle Giffords, após um ferimento à bala na cabeça.

O serviço de mensagens Viber inventado por um israelense também está sendo usado para salvar vidas, de acordo com o Economic Times, permitindo aos usuários fazerem chamadas a partir do Nepal gratuitamente nos dois dias seguintes ao terremoto. Esse serviço permite que pessoas em necessidade, e com acesso à internet, fazem chamadas para linhas celulares e fixas.

Outras tecnologias israelenses que estão ajudando incluem o PocketBVM, ou máscaras de emergência e dispositivos de respiração que podem ser usados para prevenir a falta de ar nos feridos até eles receberem cuidados médicos. Apesar de não ter sido aplicado no terremoto do Nepal, em outros desastres internacionais, a plataforma criada por israelenses eVigilio tem sido usada para enviar alertas em massa para milhões de pessoas sobre desastres naturais iminentes e ameaças à segurança. Outra ferramenta tecnológica israelense para salvar vidas que poderia ser usada para localizar as centenas ou milhares de pessoas que ainda estão presas sob os escombros é o “Robô Cobra” da Technion. Esse robô flexível e facilmente manobrável pode alcançar lugares muito perigosos ou escondidos para os socorristas, o que é um sério desafio para as equipes de socorristas trabalhando em áreas populosas de Katmandu.

Apesar de Israel possuir certamente a equipe de salvamento mais ativa e inovadora em ação atualmente no Nepal (a pesquisa da CNN não inclui a Índia), a Nação Startup doou muito pouco ou nenhum fundo de ajuda, enquanto países maiores como os Estados Unidos e o Reino Unido doaram $10 milhões e $5 milhões, respectivamente. Entretanto, baseado na profundidade do envolvimento israelense em missões prévias de ajuda humanitária em zonas de desastre como Japão, Haiti e Filipinas, e com os trabalhadores de resgate nepaleses e estrangeiros encaminhando os feridos ao avançado hospital de campo israelense, é possível que Israel mereça o agradecimento da comunidade internacional.

Fonte: NoCamels