AposTherapy: O calçado que liberta você das dores crônicas

 Eis uma estatística espantosa: de acordo com dados do censo dos Estados Unidos coletados em 2012, mais de 1,7 bilhão de pessoas em todo o mundo sofrem de dores nos joelhos, nas costas e nos quadris, o que torna esse problema a segunda maior causa de incapacidade e o quarto maior fator de influência nas condições de saúde. E, à medida que a população mundial envelhece, particularmente a geração baby boomer, o número de indivíduos com mais de 65 anos que apresentam essas condições deverá aumentar de 15% para mais de 21% até 2040. Diante de números dramáticos como esses, é hora de alguém apresentar uma solução para controlar a prevalência de condições musculoesqueléticas.

Para resolver o que pode ser o efeito mais negativo do bipedalismo, ou a capacidade de andar sobre duas pernas, uma empresa israelense pensou em uma nova forma de eliminar as dores em joelhos, costas e quadris. Inventado pelos médicos Amit Mor e Avi Elbaz, enquanto ainda estavam na faculdade de medicina, o AposTherapy permite aos pacientes passarem de uma situação de deficiência a uma situação de caminhar natural em questão de minutos, simplesmente pedindo-lhes que coloquem calçados com um visual engraçado.

A razão de o AposTherapy ter tantos adeptos no mundo se deve à simplicidade e aos resultados rápidos que os pacientes observam ao experimentar o método. “Nas últimas duas décadas, muitos estudos mostraram que os músculos e nervos desempenham um papel importante em qualquer condição ortopédica. A perda do controle dos músculos e nervos, conhecida como perda de controle neuromuscular, ocorre quando os músculos se contraem na área do joelho, da coluna vertebral e dos quadris, resultando em dor e desconforto.” Usando sua pesquisa e seu conhecimento sobre o sistema neuromuscular e embasando seu método no fato de que cada nervo, músculo e articulação em nosso corpo trabalha em conjunto, Mor e Elbaz perceberam que “desviar” a atenção do corpo da área da dor era o primeiro passo para ajudar as pessoas a viver confortavelmente.

Foi assim que eles tiveram a ideia dos sapatos convexos patenteados que, vistos de cima, parecem um tênis convencional, mas embaixo têm duas almofadas convexas que forçam continuamente o paciente a alinhar corretamente seus músculos, sem jamais precisar lembrá-los de fazerem isso. “Quando as articulações ou os músculos não estão funcionando corretamente, as pessoas começam a compensar isso mancando ou usando uma bengala, e isso é realmente um ciclo vicioso. Mas, como sabemos que o controle neuromuscular é central para o funcionamento desse sistema, podemos treinar o sistema para fortalecer os músculos na área afetada, acelerando o processo de reabilitação, prevenindo lesões e reduzindo a dor”, explica Mor.

O processo começa com uma consulta a um fisioterapeuta licenciado do AposTherapy. O terapeuta pede que o paciente caminhe em uma esteira sensorizada que mede fatores como modo de andar, comprimento dos passos, qual pé está sendo mais sobrecarregado e outros. O paciente então preenche um questionário em que descreve o seu grau de dor, além de algumas atividades diárias e métodos de tratamento usados no passado. Em questão de minutos, o paciente é “calibrado”, como eles gostam de dizer, e o terapeuta começa o trabalho de ajustar as almofadas convexas nos novos calçados AposTherapy. Agora, vem o momento da verdade: o paciente coloca os calçados e novamente caminha na esteira para ter uma ideia de sua melhora, mas realmente não há necessidade de números, porque quase imediatamente o paciente caminha livremente, sem mancar e sem bengala. A diferença é dramática a ponto de fazer “cair o queixo”.

Menos dor e músculos mais fortes a cada passo

O que torna o sucesso do AposTherapy tão fascinante é que o tratamento é realmente tão simples como calçar um par de sapatos. “Assim que alinhamos o paciente, nós o mandamos para casa e não dizemos a ele: ‘pratique’, porque sabemos que a maioria dos pacientes não treina nem faz exercício mesmo que os médicos recomendem. Nós dizemos apenas: ‘seja’”. Os pacientes devem usar os calçados pelo menos uma hora por dia, em casa ou no trabalho, e caminhar em torno de 10% do tempo enquanto estiverem usando o AposTherapy. “Enquanto o paciente caminha, para pegar uma xícara de café ou ir ao banheiro, o sistema promove a estabilidade em todas as fases do ciclo de caminhar”, prossegue Mor. “É por isso que chamamos nossa empresa de AposTherapy, porque funciona em todas as fases do ciclo de caminhar e é o primeiro tratamento a fazer isso.”

Mor também sabe que não apenas os pacientes apresentam o maior progresso quando priorizam a prática, mas também que o indivíduo em tratamento atualmente não tem tempo ou paciência para ir a um fisioterapeuta regularmente. É por isso que a AposTherapy decidiu reduzir o número de visitas do paciente a clínicas a uma vez por mês e, à medida que ele progride, a uma vez a cada seis meses ou uma vez por ano. “Sabemos que precisamos administrar o tratamento de acordo com o tempo do paciente e com o que é conveniente para aumentar a conformidade e atingir os melhores resultados. Isso realmente dá aos pacientes o poder para desejarem ver mudanças. Tudo se trata de democratizar a medicina.”

Fotos: Bone and Joint Initiative USA

Fonte: NoCamels