Quatro startups israelenses na final do Concurso Global de Inovação do Turismo

Quatro start-ups de turismo israelenses estão entre as 10 finalistas que competem na competição inaugural da Organização Mundial de Turismo (UNWTO) das Nações Unidas. Foram 3.000 inscrições para o concurso de empresas de 132 países.

“Esta é uma conquista significativa para as empresas no campo da tecnologia turística em Israel, que posicionam Israel como líder global no domínio”, disse o ministro da Economia, EliCohen.

Refundit, a startup de reembolso de impostos baseada em Tel Aviv, é a primeira das finalistas israelenses. A empresa, co-fundada por Uri Levine e Ziv Tirosh, permite que os utilizadores da sua aplicação enviem facilmente pedidos de reembolso do IVA antes de chegarem ao aeroporto e sem parada na alfândega.

A Pruvo, segunda representante de Israel na final, é uma startup de otimização de reservas de hotéis em Haifa que oferece um serviço on-line automático que aceita reservas de hotéis, sites e agências de viagens e acompanha seus preços, alertando os usuários se houver uma oferta melhor para a mesma reserva. Em novembro de 2017, a Pruvo anunciou ofechamento de uma rodada de financiamento de US$ 475.000 da ExitValley.

Localizada na cidade de Omer, no sul do país, a SeeVoov oferece um aplicativo de planejamento de viagem por vídeo interativo baseado em inteligência artificial e aprendizado profundo. Quando os usuários selecionam seus pontos de interesse, a plataforma planeja a melhor rota para sua viagem e permite que eles façam reservas.

Finalmente, o Howazit, sediado em Herzliya, é uma plataforma inteligente de comunicação de ponta a ponta com o cliente, permitindo que as empresas se comuniquem melhor com os clientes – neste caso, os turistas – para aumentar a satisfação, a lealdade, o engajamento e as vendas.

“Em julho de 2018, o adido econômico do Ministério da Economia na Espanha e o Instituto de Exportação iniciaram um seminário em Israel onde apresentamos a competição junto com os organizadores, levando ao registro das empresas israelenses”, disse Liat Shaham, chefe do setor econômico da missão da Embaixada de Israel na Espanha.

Adaptado de The Jerusalem Post