Tecnologia israelense ajuda no resgate dos meninos tailandeses

O mundo inteiro suspirou aliviado ao acompanhar a equipe de resgate na Tailândia encontrando o time de futebol de 12 rapazes e seu técnico que haviam ficado presos em uma caverna por 10 dias. Envolvidos pelo incidente, equipes de resgate e ajuda humanitária chegaram de, no mínimo, seis países – incluindo Estados Unidos e Israel.

Desde que o time fez sua descida para o interior da caverna em 23 de junho, os corredores estreitos inundaram, em função das tempestades constantes ocorridas na área. “A tentativa de fazer com que mergulhadores-não-profissionais adentrem uma caverna é uma das situações mais arriscadas possíveis, mesmo se os mergulhos forem relativamente fáceis”, afirma Anmar Mirza, especialista em resgates em cavernas, ao The Associated Press.

Uma tecnologia desenvolvida em Israel foi uma das principais ferramentas para salvar as doze crianças e seu professor presos numa caverna na Tailândia. É um sistema de comunicação que permite que a equipe de salvamento localizada na parte de fora da montanha fale com qualquer socorrista que está dentro da caverna.

Logo que souberam da missão, os funcionários da Maxtech Networks reuniram todos os equipamentos necessários e pularam em um avião rumo à Tailândia. “Não pensamos em absolutamente nada – apenas em salvar as vidas dessas crianças”, declara o fundador e CEO da empresa, Uzi Hanuni.

“Nós compreendemos que a única maneira que aquelas equipes de resgate teriam de adentrar nesta caverna tão profunda seria com o uso de equipamentos de comunicação resilientes e de boa qualidade, que pudessem resistir a esse cenário difícil”.

O aparelho, que parece um simples walkie talkie, é extremamente simples. Um algoritmo de alta tecnologia é inserido no interior do dispositivo permitindo que as equipes de resgate consigam se comunicar uns com os outros, não necessitando de linha direta de visão e estando há até cerca de duas milhas de distância.

Para a equipe, a tecnologia israelense foi primordial para terem segurança no processo de envio de suprimentos às crianças e ao treinador de futebol. Ela deu ainda segurança ao processo de retirada, que se iniciou no último domingo (8) possibilitando que as equipes se falassem durante todo o percurso de salvamento.

A“Para ajudar, nós doamos toda a tecnologia de comunicação necessária para o salvamento”, disse Uzi Hanun, CEO da empresa, ao jornal The Jerusalem Post.

A tecnologia doada custa mais de US$ 100 mil, cerca de R$ 390 mil.


Startups israelenses não são novatas no apoio a incidentes e desastres naturais. Em setembro de 2017, uma empresa chamada Camero se juntou às equipes de resgate após um terremoto devastador no México. Sua tecnologia permite que as equipes de resgate vejam se há pessoas mantidas sob os escombros e onde estariam localizadas. Além disso, o sistema oferece um recurso pioneiro para o mapeamento do formato geral da sala, por trás de uma parede ou debaixo de escombros de residências derrubadas, com alta sensibilidade para a detecção de objetos vivos não moventes. Ele tem a capacidade de penetrar materiais como o cimento, gesso, tijolos, concreto, drywall e outros materiais de construção padrão.

Esta notícia foi adaptada do site From the Grapevine.