Foco na Fintech-Aviv israelense

Um relatório recente publicado pelo portal The Fintech Times chamado Fintech: Middle East and Africa 2021 rankeou israel, ao lado dos Emirados Árabes Unidos (UAE) como os únicos dois países do Oriente Médio e África (região MEA) que em 2021 seriam considerados hubs de fintech de primeiro escalão. Parte do sucesso de Israel decorre de um ecossistema mais abrangente que apoia setores inovadores.

Uma destas entidades é a The Israeli FinTech Association – FinTech-Aviv, que é uma das maiores comunidades de Fintech do globo, operando desde 2014 e composta por mais de 30,000 empreendedores, ventures, instituições financeiras, profissionais do ramo e investidores. O foco é em formas de apoiar a facilitar a exportação de tecnologias financeiras a diferentes regiões, fechando a lacuna tecnológica que instituições financeiras enfrentam.

De acordo com o sócio fundador do Equitech Group e presidente da Fintech-Aviv, Nir Netzer, “estes são tempos sem precedentes para a nova ordem política e econômica no Oriente Médico, e estamos honrados em estender nosso relacionamento e rede de parceiros o outros na região, buscando facilitar a exportação de tecnologias israelenses para novos mercados.”

A instituição teve notável participação no Acordo de Abraão entre Israel, os Emirados Árabes Unidos e Bahrein (e mais tarde, com a inclusão do Sudão e Marrocos). O fintech, entre outros setores altamente qualificados como agritech e tecnologias em geral, recebeu benefícios das novas relações diplomáticas que já abrem o comércio e oportunidades para investimentos estrangeiros diretos (FDI’s).

Exemplos de tais cooperações são acordos de colaboração entre players chave do fintech em seus respectivos países, como com o  Dubai International Financial Centre (DIFC)’s Fintech Hive e a Bahrain FinTech Bay.

Israel é líder não apenas no setor tech, sendo a nação-sede do maior número de startups per capita do mundo, mas também do fintech especificamente. Isto porque, a “startup nation” possui mais de 750 empresas do ramo, com + U$3 bilhões por ano investidos nelas, pelo menos dois programas de aceleração e até uma Embaixada bitcoin.

Fonte: The Fintech TImes