Por meio de painéis solares de impressão 3D, a start-up israelense Utilight reduz significantemente o custo da energia renovável

A energia solar está rapidamente ganhando força como a fonte de energia alternativa mundial, com uma abundância de novas tecnologias destinadas ao aproveitamento dos poderosos raios do sol. Em busca de alternativas não poluentes e de métodos econômicos de captura da energia solar, cientistas e empresas como essa estão recorrendo à tecnologia a fim de encontrarem uma solução compatível.

E uma start-up israelense está à frente desta coleta de energia sustentável. A Utilight, uma start-up com sede em Yavne fundada em 2009, está utilizando métodos de impressão 3D para criar células solares em taxas de produção mais baratas e rápidas do que os painéis solares convencionais.

O método de impressão 3D da Utilight é especialmente eficiente para a fabricação em grandes volumes de células solares fotovoltaicas, já que o processo livre de contato e com pintura a laser produz mais células solares, porém, utilizando a mesma quantidade ou até menos materiais se comparado aos métodos de impressão convencionais, segundo a empresa. “Empenhando-se por um futuro mais brilhante, nossa tecnologia inovadora pretende aumentar a eficiência das células solares e reduzir o uso de materiais, diminuindo o custo por watt de eletricidade solar”, observa a empresa.

A start-up inovadora desenvolveu uma tecnologia de impressão exclusiva, chamada “Impressão por Transferência Padrão”, para a fabricação em grandes volumes de células solares fotovoltaicas, criando uma maneira mais barata de aplicar uma camada de metal condutor às células. O PTP, método da Utilight de metalização em pastilha, evita o uso excessivo de materiais como a pasta de prata, além de permitir que a célula gere mais energia. A boa notícia para os fabricantes é que esta nova tecnologia requer apenas um módulo suplementar na planta, já que o sistema da Utilight pode ser instalado não somente em novas linhas de produção, mas também em linhas de produção já existentes.

A “implementação do sistema é projetada para uma assimilação rápida e tênue nas linhas de produção existentes, utilizando as mesmas pastas de metal e sequências de produção, e mantendo a rentabilidade e a durabilidade da célula”, explica a empresa. Em suma, o processo de produção rende mais painéis solares por minuto, e estes últimos têm maior durabilidade.

utilight

Espera-se que o processo leve os fabricantes tradicionais à economia de até $500.000 em pasta de prata e $500.000 adicionais em eficiência anual para uma linha de produção de tensão padrão, de acordo com a empresa. “Mesmo que o custo das células solares esteja em constante queda, isto ainda é uma das principais barreiras contra a expansão de seu uso”, como a empresa declarou. A tecnologia de impressão da Utilight pode oferecer uma redução significativa aos custos de fabricação”.

Essa expectativa é justamente a razão pela qual a Utilight atraiu o interesse dos principais investidores. Em 2012, a empresa garantiu uma fase de financiamento de $4,5 milhões da Robert Bosch Venture Capital, da I2BF Global Ventures e da Waarde Capital.

A Utilight – fundada pelo Diretor Executivo Dr. Giora Dishon, Amir Noy, Misha Matusovsky e Moshe Finarov – também levantou fundos de uma série de subsídios governamentais, investidores-anjos e do Departamento de Cientistas Principais de Israel.

Ao cortar os custos da produção de células solares de maneira significativa, a Utilight pode ter conquistado seu lugar ao sol.

Fonte: NoCamels