Especial CyberTech Israel: “Segurança fraca é igual teto de vidro, uma hora quebra”

Este artigo foi retirado da Security Report

Por Alexandre Finelli

Para oficial sênior da Força de Defesa de Israel, vivemos a era da “MOT”, ou seja, Military of Things, época em que coisas são usadas contra nós, uma clara alusão aos riscos da IoT

Ao contrário de um ataque aéreo ou terrestre, em que as consequências são imediatas, um ciberataque começa de maneira sutil, camuflada e pode levar tempo. Na maioria dos casos, leva meses até que ele seja detectado ou então só se percebe quando o estrago já está feito. Por isso, é preciso estar preparado sempre. “Segurança fraca é igual teto de vidro, uma hora quebra”, afirmou um oficial sênior da Força de Defesa de Israel, que não pôde ter seu nome revelado, durante encontro com jornalistas na CyberTech, feira que aconteceu nesta semana em Tel Aviv.

Ser responsável pela defesa de um país como Israel é um desafio e tanto. “Vivemos a era da MOT, ou seja, Military of Things”, uma clara alusão aos riscos da IoT, bastante utilizados para realizar ataques. Vendo por esse lado, o futuro pode ser problemático: até 2020, um milhão de novos aparelhos se conectarão à rede por hora. “A internet pode fazer coisas maravilhosas por nós, mas o contrário também é real. Todos os dias surgem novas ferramentas que são usadas contra as instituições. E a segurança, como fica? ”, questiona o militar.

A chegada da IoT e o fim do perímetro traz elementos singulares no que diz respeito à Segurança da Informação, diferentemente do ambiente físico. “No mundo real, temos bordas, fronteiras, leis a serem respeitadas e seguidas. No virtual não. É tudo muito recente e vamos aprendendo diariamente na prática. É como se fosse uma selva”, resume.

Por ser uma “terra” sem lei, o oficial defende uma arquitetura de segurança baseada em tecnologias de big data analytics. “Um plano de inteligência se constrói com dados, informações”. E completa: segurança é um dever de todos e deve ser patrocinada por todos os setores. “Segurança é algo que diz respeito à proteção daquilo que é importante para o indivíduo, instituição ou nação, ou seja, nossas vidas, nossos familiares, nosso patrimônio e assim por diante”, finaliza.

* Alexandre Finelli viajou à Tel Aviv a convite do Israel Trade & Investment São Paulo, departamento comercial do Consulado de Israel

Leia a notícia na integra no Security Report

Deseja encontrar empresas israelenses de cyber?

Muitas das empresas e muitos dos empreendedores na dianteira da ciberinovação de Israel estarão em destaque na conferência RSA 2017, que será realizada em São Francisco, de 13 a 17  de fevereiro. A conferência atrai visitantes de mais de 50 países, e se tornou um importante ponto de encontro para debate sobre as últimas ameaças e soluções em cibersegurança.

Em respeito ao seu tempo, ficaremos felizes em recomendar empresas relevantes, coordenar reuniões individuais e garantir que você terá toda a atenção. Saiba mais sobre esta iniciativa e as empresas participantes  em nosso site: clique aqui.

As reuniões serão realizadas no Pavilhão Nacional de  Israel na RSA, South Hall A – stand No. 827 & 833.

Empresas brasileiras interessadas em marcar reuniões com as empresas israelenses durante a feira, com o objetivo de explorar possíveis oportunidades de negócios, favor entrar em contato com Ilana Kohl, que estará no Pavilhão de Israel para recepcionar os Brasileiros

[email protected]ade.gov.il | (11) 3095-3111