Fazenda israelense Seakura produz macroalga orgânica cultivada fora do mar

É fresco, nutritivo, orgânico e foi oficialmente rotulado como o superalimento promissor. Não, não estamos falando da couve-de-folhas. A macroalga está finalmente deixando sua marca no mundo, e uma empresa israelense está ajudando esse tesouro natural a avançar rumo ao topo da pirâmide alimentar.

A Seakura, empresa israelense produtora de macroalgas criada em 2006, é considerada um líder mundial em desenvolvimento, colheita e industrialização da alga foliforme. Ao contrário das macroalgas que proliferam na água marinha salgada e são posteriormente desidratadas, a Seakura é uma das poucas empresas no mundo que produzem macroalgas fora do oceano e as vendem frescas e prontas para consumo.

Enquanto a maior parte das macroalgas do mundo é coletada no oceano, a Seakura produz organicamente o vegetal em piscinas controladas usando água mediterrânea purificada. Em sua fazenda ao norte de Tel Aviv, a Seakura produz macroalgas com maior valor nutricional do que as macroalgas provenientes do oceano – durante o ano todo. A empresa, que também opera um instituto de pesquisa no local de produção, é composta de uma equipe pequena, mas altamente qualificada, de 15 profissionais de campo, incluindo um biólogo aquático e dois biólogos marinhos.

Graças à meticulosa tecnologia de aquicultura (o cultivo de organismos aquáticos) da Seakura, uma porção desse superalimento forneceria o dobro da quantidade de proteína, ferro e fibras encontrada nas macroalgas desenvolvidas na água oceânica. Para cada 100 gramas, a “alface marinha” da Seakura contém 28 g de proteína, 53,8 mg de ferro, 2,73 mg de vitamina B12, 21,9 mg de vitamina C e 238 mg de magnésio. Em comparação, a macroalga desidratada genérica contém aproximadamente 2 g de proteína e apenas 1 g de fibra dietética, de acordo com o site eatgoodfood.org. “Em nossa macroalga, há também três vezes mais carotenoides”, diz o CEO da Seakura, Moshe Rivosh, ao NoCamels.

Evitando a contaminação por meio da purificação da água do mar 

Por quase um milênio, a população costeira consumiu algas, mas, nos últimos anos, os vazamentos de petróleo, o esgoto e resíduos industriais e radioativos as contaminaram. A Seakura evita essas preocupações cultivando seu produto em água purificada, com controle completo de elementos como temperatura da água e níveis de acidez.

“A macroalga tem capacidade de absorver água, então, se a água estiver suja, a macroalga também estará”, explica Rivosh. “Mas a nossa água é purificada. É água pura sem nenhuma sujeira ou metais pesados.”

O método padrão de cultivo de macroalgas implica a produção em pequenas piscinas, equipadas com filtros e sensores que monitoram a qualidade da água. Ao longo do tempo, a equipe da Seakura transfere as plantas para piscinas maiores. Graças ao seu método de cultivo, a empresa diz ser capaz de manipular naturalmente e desenvolver os níveis de proteínas, fibras e vitaminas encontrados nas algas.

Rivosh espera que a macroalga seja incluída em nossas dietas e se torne um alimento básico – usada não apenas para envolver rolos de sushi. Graças à sua enorme quantidade de nutrientes, a macroalga também é uma alternativa ideal para veganos e vegetarianos.

Acessível e nutritiva, macroalga fresca pode ser usada em qualquer receita 

Conhecida por sua versatilidade, a macroalga fresca pode ser usada em saladas, sanduíches e até massas. “A macroalga também é considerada uma erva fresca – você pode adicioná-la a qualquer coisa que criar na cozinha”, diz Rivosh. “Também é muito boa para quiches!”

Os produtos da Seakura também são acessíveis. A alface marinha básica da empresa custa em torno de US$ 2,5 para cada 100 gramas, comparada ao preço de US$ 10 a US$ 12 de 100 gramas das folhas de algas secas.

A Seakura já fez sua grande estreia no mercado europeu, onde a alga pode ser encontrada em várias lojas de produtos saudáveis e orgânicos. No Reino Unido, por exemplo, pode ser encontrada na Planet Organic, e a sofisticada loja de departamentos Harrods serve a macroalga da Seakura em suas saladas.

As algas foliformes também são encontradas na Itália, na Bélgica, na Holanda e em Israel. A empresa agora está aumentando a produção e trabalhando em novas receitas. E seus especialistas em macroalgas estão prestes a levar um novo sabor de Israel ao Reino Unido, com um novo produto – o homus com macroalga.

Fonte: NoCamels