Chefe da autoridade de água de Israel diz: Nós resolvemos a crise de água

O Diretor da Autoridade de Água de Israel, Alex Kushnir diz que Israel é o líder mundial na indústria de gestão de água.

“Nós aliviamos a nação de suas preocupações com a água. Até poucos anos atrás houve uma crise de água em Israel mas hoje tenho um representante da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) vindo aprender como fomos capazes de superar a crise e gerir o mercado como nós. O Banco Mundial está constantemente perguntando como conseguimos fazê-lo”, diz o Diretor da Autoridade de Água, Alex Kushnir, o qual estará encerrando com orgulho o seu mandato de cinco anos em agosto.

O mercado israelense consome por ano 2,2 bilhões de metros cúbicos por 8 milhões de pessoas, 14.000 fazendas e mais de 1.000 plantas industriais. As necessidades de água e esgoto de Israel geram 10 bilhões de NIS (Novo Shekel) por ano incluindo as despesas operacionais, desenvolvimento e aquisição de água dessalinizada.

O mercado é gerido por uma enorme quantidade de fornecedores incluindo a Mekorot, 56 empresas, mais que 1.000 fornecedores locais e dezenas de autoridades locais.

Kushnir recorda 2013-2014, quando Israel foi forçado a lidar com alguns dos mais severos incidentes de seca nos últimos 100 anos, mas “graças a gestão adequada do setor de água” navegaram com sucesso o desafio. Ele afirma que “Israel é considerado um dos países líderes no mundo, se não o líder na indústria da gestão de água”. “A tarifa pode ser reduzida substancialmente”.

O diretor da Autoridade de Água pode ter um interesse inerente em elogiar o setor que regula, mas a indústria de água de Israel realmente é aclamada em todo o mundo.

Kushnir diz que uma das realizações de Israel era a fabricação industrial de água e recuperação da água de esgoto e sua reutilização, o que permite ao país evitar mergulhando para os limitados recursos de água naturais. Ele diz que Israel criou 4,5 bilhões de metros cúbicos de água nos últimos cinco anos.

Outra conquista importante que ele menciona é a significante economia no consumo doméstico. Até poucos anos atrás, o consumo médio era de 102 metros cúbicos por ano e que atualmente caiu para 87 metros cúbicos por ano, o que significa uma economia da ordem de 15%.

Continue lendo em Globes.

Imagem: Water Authority