Meio bilhão de “insetos-soldados” mantêm plantações livres de pragas

Famintos, os “bons” insetos comem as pragas que anteriormente eram eliminadas através do uso de pesticidas pelos fazendeiros.

Para manter as pragas longe das plantações e evitar que destruam os lucros dos agricultores, especialistas em agricultura em Moshav Ein Yahav contrataram um “exército” predatório. Meio bilhão de insetos famintos, que farão um banquete de pragas nocivas como tripes, moscas-brancas e ácaros, que literalmente devoram abóboras, pimentas, melões, tomates e outros produtos cultivados na aldeia. O “exército de insetos” vai ser enviado para o campo na próxima semana, período no qual os fazendeiros se preparam para uma nova estação de plantio.

Mais de 100 agricultores trabalham nos campos de Ein Yahav, uma das maiores comunidades de fazendeiros de Israel. Com a ajuda de uma Organização local chamada “A Beleza dos Vegetais” (“Beauty of Vegetables”), os fazendeiros puderam dispensar a maior parte dos pesticidas nocivos, com o uso de insetos como o Orius laevigatus, comumente chamado de Inseto Traiçoeiro da Flor; o “Svirski”, Amblyseius (Typhlodromips) swirskii, um ácaro predador de polífagas; e o Persimilis, comedor de ácaros e vespas parasitas – todos inimigos naturais das pragas.

Os insetos são enviados para agricultores em caminhões refrigerados, que são implantados nas estufas e em áreas de armazenamento cheias de colheitas maduras, prontas para o envio aos clientes. “Nós usamos uma técnica chamada de Gestão Integrada de Pragas – IPM, o que significa que o uso de produtos químicos é muito limitado,” disse Rami Sadeh, agrônomo da equipe de “A Beleza dos Vegetais”. “Costumamos usar inimigos naturais de insetos que causam danos, e se nós formos obrigados a pulverizar, é apenas em pequena escala, para uma ou duas plantações com alta infestação. O IPM custa mais caro por metro quadrado, mas podemos dormir à noite, sabendo que não estamos usando produtos químicos.” Graças a este sistema, disse ele, fazendeiros puderam reduzir o uso de pesticidas em cerca de 80%.

 

Ein Yahav é um dos maiores exportadores de produtos hortícolas em Israel, especialmente de pimentas e melões, e já ganhou manchetes: no ano passado, agricultores de Ein Yahav alcançaram um novo recorde com a maior pimenta do mundo, que chegou a pesar 600 gramas (1,3 libras). Em maio deste ano, os agricultores batizaram uma nova versão de um melão cultivado na região com o nome do cantor Justin Timberlake.

Os melões Justin, as pimentas gigantes e tudo mais que é cultivado em Ein Yahav estão a salvo de pragas e de agrotóxicos, graças a meio bilhão de “bons” insetos, disse Sadeh. “É como um exército gigante faminto”, disse Sadeh. “Ein Yahav é um campo de batalha para uma guerra biológica, mas do bem”.

Leia a notícia completa em Times of Israel